Por:

RIBALTA | Tartufo por Gomlevsky

O Tartufo | Foto: Divulgação

O talentoso diretor Bruce Gomlevsky havia feito a peça "Um Tartufo", completamente sem palavras, com sua Companhia Teatro Esplendor. Agora dirige jovens atores do "Coletivo Descalços" em "O Tartufo", de Molière, com texto traduzido por Guilherme Figueiredo. A nova montagem apresenta uma encenação moderna trazendo a história para os tempos atuais, com pitadas de criatividade e irreverência características do povo brasileiro. "O Tartufo" está em cartaz no Centro Cultural da Justiça Federal, de sexta a domingo, às 19h, até 10 de dezembro.

 

Existir nas diferenças

O Circo no Ato

Como as figuras socialmente marginalizadas encontram seus espaços de existência? Como as fragilidades podem se tornar potências? O grupo Circo no Ato se guiou por essas perguntas para a criação do espetáculo "Praticantes do amor cujo nome não se ousava dizer", em cartaz no Sesc Copacabana até 10 de dezembro. Com direção de Natássia Vello, a montagem constrói um espaço de existência atravessado por dores, medos, amores e desejos de corpos desviantes, vividos por Camila Krishna, Carol Costa e Rafael Garrido.

Conflitos de gerações

Ponto Zero

Na próxima terça-feira (28), às 20h, o Teatro Prudential, na Glória, apresenta "Ponto Zero", uma experimentação cênica de Dora de Assis. Com densidade e humor, a encenação fala das agruras e aventuras de crescer no século XXI. Dirigidas por Débora Lamm, seis atrizes vivenciam conflitos de gerações, temperados com um fino e lúcido humor: Carmen Frenzel, Cláudia Ventura, Dora Freind, Julia Morais e Luiza Loroza, além da própria autora. A apresentação é única, com entrada franca, tradução em libras e audiodescrição. O projeto é voltado também para pessoas cegas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.