Por: Pedro Sobreiro

As bruxas do Rio de Janeiro

Cleo, Erika Januza e Giovanna Ewbank interpretam três bruxas que despertam no Rio de Janeiro de 2023 | Foto: Divulgação/ Disney

Seguindo com a aposta da Disney nas produções nacionais, a série 'A Magia de Aruna' estreia nesta quarta (29) no streaming Disney . Com um elenco de peso e um texto afiado, a série conta a história de um Rio de Janeiro diferente, que vive as consequências da criminalização da magia no passado, separando a sociedade entre as pessoas comuns e os descendentes das bruxas.

Nesse contexto, três bruxas guardiãs, que se sacrificaram nos anos 1700 para proteger a magia, despertam em 2023 e acabam encontrando a jovem Mima, uma adolescente que enfrenta os desafios comuns da idade, enquanto tenta esconder seus poderes, que começaram a despertar.

A convite da Disney, o Correio da Manhã conversou com o elenco da série, que contou um pouco mais dos bastidores da produção e do que o público pode esperar desse projeto tão interessante.

Um dos pontos da série é a desmitificação das bruxas. Por anos, as histórias de bruxas atravessaram culturas como criaturas más e impiedosas, mas 'A Magia de Aruna' segue por um caminho inverso, trazendo à luz esse trio de feiticeiras que busca a proteção.

"Eu acho que a questão das bruxas traz para a pauta uma marginalização às pessoas que são diferentes. A pessoa que tinha um dom era afastada da sociedade, vista com maus-olhos. E não necessariamente era uma coisa má. A gente costuma deixar de lado aquilo que a gente teme, que não compreende, como é feito ainda hoje. E acho que vem muito daí essa história de bruxa má e bruxa boa", comentou Erika Januza, que interpreta a bruxinha Latifa.

Já para Giovanna Ewbank, que dá vida à bruxa Juno, a série tenta mudar um pouco do preconceito sobre as bruxas.

"É superimportante desmistificar a bruxa para essa geração que está vindo agora. Que as crianças entendam que as bruxas nada mais eram que mulheres à frente do seu tempo, curandeiras. Meus filhos, quando souberam, me perguntaram: 'mamãe, você vai fazer uma bruxa? Uma bruxa má?'. E eu expliquei que a bruxa não é necessariamente má, que eles as veriam fazendo coisas muito legais. Então, é legal saber que essas crianças e adolescentes vão ter uma nova visão de bruxa", disse.

E Cleo, que faz a bruxa Cloe, na série, comentou sobre a influência do padrão social na imagem negativa das bruxas.

"Eu acho que essa questão das bruxas estarem sendo mais normalizadas tem muito a ver com a questão da bruxa em si não ser uma coisa ruim e ter sido demonizada pelo patriarcado. E para compor a Cloe, eu me inspirei muito... Em mim mesma. Minha bruxa interior saúda a sua bruxa interior [risos]".

A série brinca muito com o anacrônico, porque a vida em 2023 é muito diferente do que era o mundo no Século XVIII. E em alguns momentos, a produção mostra esses conflitos de realidade das bruxinhas encarando a modernidade pela primeira vez, como na cena em que elas "descobrem" um telefone celular. Para Cleo, esse foi um dos maiores desafios do show.

"A gente trabalhou bastante na preparação sobre esses momentos de descoberta, do impacto de entender o que é novidade e da gente se sentir diferente de todo mundo. A gente precisava ficar sempre atenta", disse.

"Nós tentamos trazer o que nossas personagens eram em 1700 para 2023. Não só pelas roupas, mas pela forma de falar. E para nossas bruxinhas, eram elas que estavam arrasando. Elas estavam usando as roupas certas para a época delas, só que em 2023. E descobrir as coisas que parecem normais pra gente, hoje, como a energia elétrica, foi um desafio. A gente teve que abrir esse olhar para o novo. Tem uma cena em que a Giovanna [Ewbank] está em uma loja e ela quer pegar em tudo, como uma criança que está descobrindo um mundo novo. Isso é muito gostoso de fazer", explicou Erika.

E quando se fala de brincar com as bruxas no audiovisual, um dos processos de criação mais interessantes é o de encontrar seu gestual mágico para soltar os feitiços. E o elenco, claro, se divertiu muito até chegar ao que é visto em tela.

"Durante a preparação, a gente foi descobrindo o gesto de cada uma. Eu acho que foi no último dia de preparação que a gente descobriu que cada uma tinha seu gesto próprio. A gente foi se entendendo e se sentindo em cena, até descobrir que cada gesto tem a ver com as personalidades", afirmou Giovanna.

"E o maravilhoso é que cada vez que uma descobria um gesto que elas gostavam, era como uma epifania. Elas se empolgavam e saiam dizendo: 'Eu achei! Achei o meu gesto!'. E queriam mostrar para todo mundo. Foi maravilhoso!", acrescentou Caio Manhente.

 

Fantasia e realidade se chocam

Jamilly Mariano e Caio Manhente compõe o núcleo jovem da série, como Mima e Ariel

Em meio aos feitiços e magias, a série traz um discurso muito forte no texto e faz isso de forma orgânica. As comunidades dos "filhos da magia" são excluídas e vivem à margem da sociedade por quererem valorizar sua cultura. E isso passa diretamente pela roteirista da série, Maíra Oliveira, que se tornou a primeira mulher negra da história a assinar uma produção da Disney Brasil.

"A gente está vivendo esse momento na vida real, e acho que por isso conseguimos levar para a tela de forma tão natural. É uma vivência nossa, então deixou mais fácil de passar para a fantasia. E a Maíra foi genial! Ela é o símbolo disso tudo. Ela conseguiu trazer temas tão importantes de forma tão clara, nos incentivando a refletir. A gente lendo o texto já sente muito. A Maíra é a grande gênia desse projeto", comentou Jamilly Mariano, a protagonista do show.

E isso foi uma preocupação da Disney, que tentou trazer um pouco da realidade de todos que trabalharam na série para a produção.

"Na nossa preparação, teve toda uma conversa sobre diversidade e inclusão. A Disney se preocupou muito em trazer o discurso para todos do elenco. E a série mostra que em qualquer tempo e cultura existe o lado dos discriminados. E mostraram de forma bem natural como vive um grupo de pessoas em comparação a como vive o outro lado. Isso foi muito bem retratado. E a série mostra as pessoas excluídas lutando e acreditando que podem ser aceitas, que podem conquistar os sonhos, sonhando que a magia vai voltar. A série retrata esse discurso de uma forma muito bonita. E também fala muito sobre o meio ambiente. O que a gente está fazendo, hoje, com a natureza pode trazer consequências amanhã. Na série, pode não ter mais luz solar, ou o sol pode acabar com a gente, que é mais próximo do que a gente está vivendo hoje. É um texto que te leva para muitos lugares que conversam com quem está assistindo", contou Erika Januza.

Mas a série dialoga diretamente com o público jovem. Ao ser estrelada por uma adolescente, 'A Magia de Aruna' pauta situações típicas da idade, como o bullying e a pressão dos pais sobre os filhos.

"Esse processo da Mima com a pressão dos pais foi muito importante para que ela pudesse entender que pode seguir seu próprio caminho. Ela sempre os respeitou muito e nunca passaria por cima deles. Até porque a Mima quer, com garras e dentes, proteger quem ela ama. Mas a série a traz começando a entender como trilhar seu próprio caminho, fazendo com que seus pais entendessem o lado dela. Eu tive o meu processo para entender melhor a personagem. E a Mima tem esse processo na série mesmo. Ela está entendendo o que vai fazer. Então, eu levei muito dessa minha vivência para a Mima, que estava descobrindo o mundo e a magia", explicou Jamilly.

E a série traz no elenco um rosto que ficou bastante popular dentre o grande público com o sucesso da novela 'Vai Na Fé', o jovem Caio Manhente. Na série, ele interpreta Ariel, o melhor amigo da Mima, que se diferencia bastante do Rafa, que ele viveu na novela.

"Como ator, é maravilhoso fazer personagens diferentes. A gente trabalha por isso. O Ariel veio para mim antes do Rafa, de 'Vai na Fé', mas é muito engraçado ver as diferenças. Acho que isso é muito desafiador, mas muito bom também. Você consegue viver vidas diferentes sem um se embolar com a outra. É bom mostrar um outro lado, até mais jovem, porque o Ariel e a Mima são muito novos. Espero que venham outros papéis, cada vez mais loucos e diferentes possíveis", disse.

Perguntado sobre o que esperar da série, uma citação foi comum a todo o elenco: muita magia. Com seis episódios, 'A Magia de Aruna' chega ao Disney nesta quarta com a promessa de aproximar o público jovem das produções nacionais com uma série que traz reflexão em meio a situações de leveza e bom humor. Um show para toda a família. (P.S.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.